sábado, 8 de setembro de 2018

CARIMBÓ DO MEU BRASIL 2018: 4 anos do Registro do Carimbó Como Patrimônio Cultural Brasileiro





No dia 11 de setembro de 2014 o Carimbó foi reconhecido pelo Iphan como patrimônio cultural imaterial do Brasil, concluindo um processo iniciado em 2005 quando mestres e grupos do carimbó paraense decidiram se organizar em um amplo movimento coletivo chamado Campanha CarimbóPatrimônio Cultural Brasileiro para buscar esse objetivo. Foram nove anos de luta da comunidade carimbozeira, que na ocasião comemorou com uma grande festa em Belém essa conquista histórica, fato que ganhou repercussão nacional pela força desse movimento cultural.

O projeto “Carimbó do Meu Brasil 2018” é o evento de comemoração pública e coletiva do 4º ano do registro oficial do Carimbó Paraense como patrimônio cultural imaterial do Brasil junto ao Iphan, cujo objetivo é comemorar e dar visibilidade a essa importante vitória da cultura popular paraense, buscando valorizar os grupos e mestres tradicionais que foram os protagonistas dessa histórica conquista, bem como proporcionar o acesso da população a este precioso patrimônio cultural paraense e brasileiro.

Organizado pela Campanha do Carimbó, Associação do Carimbó do Estado do Pará (ACEPA) e Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó, em parceria com varias instituições, o projeto acontecerá no período de 07 a 16 de setembro de 2018, promovendo atividades em Belém, Marapanim, Alter do Chão (Santarém) e também nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, com uma ampla programação que inclui alvoradas, cortejos, mesas de palestras e debates, seminário, rodas de carimbó, exposição, exibição de documentários, baile, feira de artes do carimbó, além de shows e mostra musical de grupos de carimbó de vários municípios paraenses.

Uma iniciativa do movimento da Campanha do Carimbó desde 2014, o evento tem conseguido a cada ano chamar a atenção da mídia, das instituições e da sociedade para a importância do carimbó e do seu processo de reconhecimento como patrimônio nacional, proporcionando visibilidade e valorização para as ações de salvaguarda já em curso e para os grupos e comunidades carimbozeiras, protagonistas de toda a mobilização e luta por essa conquista histórica.

A realização do “Carimbó do Meu Brasil 2018” é uma grande oportunidade para socializar com a sociedade os avanços e ganhos proporcionados pelo processo do registro, bem como discutir os desafios e perspectivas da política de salvaguarda que está sendo construída de forma compartilhada pelo movimento carimbozeiro e as instituições públicas, em especial o IPHAN, demonstrando de forma concreta a importância das políticas culturais e da garantia de direitos para o carimbó e seus mestres e mestras, seus grupos e comunidades que já salvaguardam esse patrimônio há gerações.

O evento é também o grande momento de celebração e afirmação do movimento cultural e social  carimbozeiro, articulado em torno da Campanha do Carimbó e agora também da ACEPA, que busca ocupar os espaços, a programação e a pauta cultural da capital paraensee de outras capitais do país com toda a força e a beleza dessa manifestação ancestral que é parte indissociável da alma e da identidade de nossas populações. É um momento de plena valorização e visibilidade para mestres, mestras e grupos tradicionais que geralmente são invisibilizados pela mídia, mas que são os principais responsáveis pela sobrevivência e continuidade desse rico patrimônio.

É um espaço para revelar também a rica e diversa produção cultural dos grupos e comunidades carimbozeiras, tanto nas linguagens artísticas da música e da dança, como também no artesanato, confecção de instrumentos, produção de Cds e Dvds, vídeo-documentários, pesquisas acadêmicas, oficinas e processos de transmissão oral de saberes.  

O Projeto Carimbó do Meu Brasil 2018 será, portanto, uma importante ação para promover e fortalecer a Salvaguarda do Carimbó como Patrimônio Cultural Brasileiro, um movimento que vem crescendo e irradiando seu alcance desde os primeiros debates promovidos pelos carimbozeiros com o IPHAN na cidade de Santarém Novo, em 2005, e que hoje se encontra em uma etapa avançada de construção.
      
Em um momento em que o Carimbó está conseguindo alcançar uma visibilidade mais ampla, é fundamental celebrarmos sua patrimonialização e mostrarmos todo o trabalho e organização institucional e comunitária que tornou possível essa conquista, afirmando o protagonismo e a força de um bem cultural que expressa a histórica resistência, a beleza e a capacidade criativa do povo paraense, amazônida e brasileiro.

O projeto “Carimbó do Meu Brasil 2018” é uma realização da Campanha Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro, Associação do Carimbó do Estado do Pará (ACEPA) e Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó, contando com a parceria e apoio do IPHAN-Pará,  Fundação Cultural do Pará, Ministério Público do Estado do Pará, Instituto Iacitatá, Casa Velha 226, Espaço Cultural Apoena, Espaço Coisas de Negro, Silvan Galvão e Carimbloco (RJ e SP), Centro Cultural Butantã (SP), Associação de Municípios do Arquipélago do Marajó (AMAM), FUNTELPA, Eliete Cozinha Paraense, além das Prefeituras dos municípios participantes.

SOBRE A PROGRAMAÇÃO

Com uma ampla e diversa programação, o projeto “Carimbó do Meu Brasil 2018” vai realizar atividades públicas e gratuitas em Belém e algumas localidades do interior do Pará, como Marapanim e Alter do Chão, além de alcançar este ano as duas principais capitais da região sudeste do país: São Paulo e Rio de Janeiro.

A realização do evento em São Paulo (dia 7) e Rio (dia 9) é fruto da aliança da Campanha do Carimbó com músicos e coletivos culturais apaixonados pelo carimbó, como o paraense Silvan Galvão, fundador do projeto Carimbloco. A programação inicia nessas duas cidades com rodas de dança e música, shows e a presença dos mestres Chico Malta e Paulinho Barreto, do Movimento do Carimbó do Oeste do Pará, que realizam vivências e oficinas a convite do seu conterrâneo Silvan Galvão.

Em Belém as atividades iniciam dia 11 de setembro, dia exato do registro, e seguem até o dia 16 em vários espaços da capital paraense. No dia 11 vai ter Alvorada de Carimbó na Feira do Ver-O-Peso bem cedinho, animada pelo grupo de carimbó feminino Sereia do Mar, de Marapanim, e por grupos da capital. À tarde será destinada à Mesa de Debate com a Campanha do Carimbó, ACEPA e IPHAN sobre os resultados do registro e as ações de salvaguarda que estão sendo realizadas.

No mesmo dia 11 em Marapanim, capital mundial do Carimbó, o registro será comemorado com um belo Cortejo Cultural, Levantação de Mastro, Shows de Carimbó e um Bingo, reunindo mestres e grupos do município para celebrar essa data histórica. A organização é da Campanha do Carimbó/ACEPA em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura.

No dia 12 ocorre a reunião do Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó, colegiado que tem representantes das comunidades carimbozeiras e que discute junto ao IPHAN a construção do Plano de Salvaguarda do Carimbó. A reunião será o dia todo no auditório do IPHAN-PA.

No dia 13 será o Seminário “Patrimônio Cultural Imaterial e Garantia de Direitos: uma conexão necessária”, realizado em parceria com o Ministério Público do Pará e que terá como foco a questão dos direitos associados ao patrimônio cultural, com apresentações de situações e demandas pelas comunidades detentoras e debate com as autoridades e instituições públicas como o Iphan e o MP-PA. O seminário receberá lideranças e mestres de bens culturais como o Carimbó, Brinquedos de Miriti, Farinha de Bragança, Marujada Bragantina, Cordões de Pássaro, Festa de S. Sebastião do Marajó, entre outros. O Instituto Iacitatá e a Associação da Resex Marinha de Tracuateua são parceiros dessa atividade, que encerrará com uma bela Roda de Carimbó na Feirinha Agroecológica da Iacitatá, no Centro Histórico de Belém.

Na noite do dia 13 a festa será no Espaço Cultural Apoena, com o Baile “Somos Patrimônio! Somos Resistência”, animado pelo Coletivo de Mestres e Mestras do Carimbó do Pará que será formado por integrantes vindos de 18 diferentes municípios paraenses. Os ingressos da festa serão destinados para custear a alimentação de grupos e mestres que virão a Belém para atividades do Carimbó do Meu Brasil 2018, numa estratégia de financiamento comunitário do evento.

Em Alter do Chão, às margens do Rio Tapajós, nessa mesma noite do dia 13 o Movimento do Carimbó do Oeste do Pará promove o evento “Carimbó do Meu Brasil” durante a Quinta do Mestre e a Sereia, na orla de Alter, em frente à casa do Mestre Chico Malta, com shows de Silvan Galvão e mestres do Tapajós, em sintonia com o movimento carimbozeiro estadual.

Em Belém no dia 14 acontece a Mostra Cine Carimbó, na Casa Velha 226, com a exibição gratuita de documentários que tenham a temática do carimbó, produzidos por produtores parceiros do movimento carimbozeiro em diversos formatos como curta e média metragem. Entre as obras da mostra serão exibidos os inéditos mini-docs resultantes do “Circuito Carimbó Nosso Patrimônio”, realizado na Casa Velha em 2017 com grupos e mestres da região metropolitana de Belém como Sancari, Unidos do Paraíso e Amigos do Carimbó. Em seguida teremos bate-papo com realizadores e mestres convidados.

No dia 15 será a Mostra de Música e Dança “Carimbó do Meu Brasil – Ano IV” que reunirá grupos, mestres e mestras tradicionais de Carimbó na Praça do Artista do Centur, com apresentações gratuitas de grupos vindos dos municipios e comunidades carimbozeiras das diversas regiões do estado, contemplando todos os pólos onde a Campanha do Carimbó atua, celebrando os 4 anos do registro e mostrando a beleza e diversidade desse bem cultural. Nesse dia e local também será montada a Feira de Artes do Carimbó, um espaço para a exposição e comercialização de produtos das diversas comunidades carimbozeiras paraenses, como artesanato, instrumentos tradicionais, vestimentas, bebidas e comidas típicas, CDs e DVDs dos grupos e mestres, etc.

E no dia 16, encerrando as atividade do projeto, o Espaço Coisas de Negro em Icoaraci recebe a Roda de Carimbó “Tambores Patrimoniais”, com vários mestres e mestras convidados celebrando a força e a diversidade do movimento carimbozeiro organizado.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

| Dia 07/setembro |
Carimbó do Meu Brasil - São Paulo
Local: Centro Cultural Butantã
Horário: 18:30 às 22h
Entrada Franca

| Dia 09/setembro |
Carimbó do Meu Brasil - Rio de Janeiro
Local: Largo das Neves
Horário: 17 às 21 h
Entrada Franca

| Dia 11/set |
Alvorada de Carimbó na Feira do Ver-O-Peso - Apresentação de grupos convidados de Belém e Grupo Sereia do Mar de Vila Silva (Marapanim)
Local: Feira do Ver-O-Peso, entre as barracas da Polpa de Fruta e Artesanato
Horário: 06 às 09h
Acesso Livre

Mesa de Palestra e Debate
Tema: “Somos Patrimônio: avanços, conquistas e desafios na construção compartilhada das políticas de salvaguarda para o Carimbó”
Expositores: Campanha do Carimbó/ACEPA, Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó e IPHAN-PA
Local: Auditório do Iphan-PA, na Av.Governador José Malcher, esquina com TV. Benjamin Constant
Horário: 16 às 19
Entrada Franca

Carimbó do Meu Brasil - Marapanim
Local: Sede do Grupo Raízes da Terra (concentração do Mastro e Cortejo) e Espaço Zimba (Bingo e Shows com grupos de Carimbó)
Horário: a partir das 17 h (cortejo e levantação do Mastro) até às 00 h

| Dia 12/set |
Reunião do Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó
Local: Auditório do Iphan-PA, na Av.Governador José Malcher, esquina com TV. Benjamin Constant
Horário: 09 às 18

| Dia 13/set |
Seminário em parceria com o Ministério Público do Pará
Tema: “Patrimônio Cultural Imaterial e Garantia de Direitos: uma conexão necessária”
Expositores e convidados: Ministério Público do Pará, DPI-IPHAN, Campanha do Carimbó/ACEPA, IPHAN-PA, Associação dos Artesãos de Miriti de Abaetetuba, Mestre Bené da Farinha, Irmandade de São Sebastião de Cachoeira do Arari, Marujada de Bragança, Cordão de Pássaro Colibri do Outeiro, Prof. Leonardo Melgarejo (Campanha Nacional Contra os Agrotóxicos e Pela Vida)
Local: Auditório do Ministério Público do Pará
Horário: 09 às 18 h
Inscrições Gratuitas

Roda de Carimbó “Carimbó é Vida: Veneno não é comida!”
Grupo convidado: Coletivo de Mestres e Mestras do Carimbó do Pará
Local: Encontro-Feira Agroecológica da Iacitatá, Praça Frei Caetano, ao lado da Sé, Cidade Velha
Horário: 18 às 20 h
Acesso Livre

Baile de Carimbó “Somos Patrimônio! Somos Resistência”
Grupo convidado: Coletivo de Mestres e Mestras do Carimbó do Pará
Local: Espaço Cultural Apoena, Duque com Tv. Antônio Baena
Horário: a partir das 21 h
Ingresso: R$ 10,00

Carimbó do Meu Brasil - Oeste do Pará
Show com Silvan Galvão e convidados no evento “Quinta do Mestre e a Sereia”
Local: Vila de Alter do Chão, Santarém, em frente à casa do Mestre Chico Malta
Horário: a partir das 19 h

| Dia 14/set |
Mostra Cine Carimbó - Sessão gratuita de filmes e conversas sobre o carimbó e patrimônio cultural (Curta e média metragem / Ficção e documentário) - Exibição dos mini-docs resultantes do “Circuito Carimbó Nosso Patrimônio” realizado na Casa velha 226 em 2017 com grupos e mestres da região metropolitana de Belém.
Local: Casa Velha 226, Tv. Gurupá, nº 226, Cidade Velha
Horário: 18 às 21 h
Entrada Franca


| Dia 15/set |
Mostra de Música e Dança “Carimbó do Meu Brasil 2018” - Ato Solene em comemoração aos 4 anos do registro do Carimbó como Patrimônio Cultural Brasileiro - Apresentações dos grupos de carimbó convidados - Show de encerramento com o Coletivo de Mestres & Mestras do Carimbó do Pará
Feira de Artes do Carimbó - Exposição e comercialização de instrumentos tradicionais, artesanato e demais produtos dos grupos e comunidades carimbozeiras
Local: Praça do Artista do CENTUR, Av. Gentil Bittencourt, Nazaré
Horário: 09 às 21 h
Entrada Franca

| Dia 16/set |
Roda de Carimbó “Tambores Patrimoniais” - Encerramento do projeto “Carimbó do Meu Brasil 2018”
- Coletivo de Mestres e Mestras Convidados
Local: Espaço Coisas de Negro, Icoaraci
Horário: a partir das 18 h


SERVIÇO:
O que: “CARIMBÓ DO MEU BRASIL 2018 - 4 anos do Registro do Carimbó Como Patrimônio Cultural Brasileiro”
Quando: 07 a 16 de setembro/2018
Onde: Belém do Pará (11 a 16/set)
Marapanim (11/set)
Alter do Chão (13/set)
São Paulo/SP (07/set)
Rio de Janeiro/RJ (09/set)

INFORMAÇÕES E CONTATOS:
Belém:
Isaac Loureiro | Fone: (91) 98191-6690
Mestre Lucas Bragança | Fones: (91) 99607-3710 / 98303-7950
Neire Rocha | (91) 98924-8035

Marapanim:
Mestre Manoel Aguinaldo | Fone: (91) 98988-2598
Zuleide Alves | Fone: (91) 99820-8454
Claudete Barroso | (91) 99347-4247 / 98474-6840

Marajó:
Márcio Bastos | (91) 99148-8154



quinta-feira, 15 de junho de 2017

PROJETO MESTRES E MESTRAS DO CARIMBÓ DO PARÁ FAZ A FESTA NO APOENA



Show será  em prol da legalização da ACEPA - Associação do Carimbó do Estado do Pará

 (*Por Isaac Loureiro)

 “O Carimbó é meu mestre...”
(Mestre Palhinha / Salinópolis - In Memorian)

Pesca, agricultura, carpintaria, artesanato, cantorias-batuques-composições de carimbó, liderança comunitária, memória viva da cultura de sua terra e de seu povo...Foi na prática de um ou vários desses ofícios e funções que cada Mestre e Mestra conquistou a admiração e o respeito de sua comunidade, tornando-se uma referência para a cultura e a vida da sua vila, povoado, cidade ou município.
São conhecimentos e práticas aprendidas e ensinadas ao longo da vida, pela força da transmissão oral que acontece do mais velho para o mais novo, dos pais para os filhos e filhas, da memória para a vivência. É assim que cada mestre ensina o que aprendeu sobre o Carimbó e suas tradições, tornando-se responsável pela preservação e pela continuidade desse precioso patrimônio junto à sua comunidade, transformando-se ele próprio em patrimônio vivo e ativo da sua cultura.
Uma bela e rica amostra desse imenso patrimônio vai estar pulsando no palco do Espaço Cultural Apoena no próximo dia 16 de junho de 2017, quando o Coletivo MESTRES E MESTRAS DO CARIMBÓ DO PARÁ fizer ecoar o baque de seus tambores, o chiado de suas maracas e milheiros, os acordes de seus banjos artesanais, o caqueado ligeiro do sopro carimbozeiro, junto com a poesia e melodia de suas canções viscerais, convidando para uma inesquecível viagem pela maravilhosa geografia desse país chamado Carimbó...

Mestres e Mestras do Carimbó do Pará se apresentando no Sesc Boulevard em 2015
(foto por Isaac Loureiro)
É o show “MESTRES E MESTRAS DO CARIMBÓ DO PARÁ”, uma iniciativa do movimento da Campanha Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro que busca valorizar e oportunizar alguns desses mestres e mestras anônimos do carimbó, desconhecidos do grande público, mas amados e respeitados por suas comunidades. O evento marcará o lançamento do projeto que a Campanha desenvolve para realizar ações de mapeamento, documentação, registro audiovisual, produção cultural e defesa de direitos junto a mestres  e mestras tradicionais do carimbó paraense, cuja salvaguarda se exige urgente e necessária.
O show no Apoena também faz parte das ações em apoio à recém-criada ACEPA – Associação do Carimbó do Estado do Pará, entidade fundada pelo movimento carimbozeiro em seu II Congresso Estadual do Carimbó, realizado em maio passado, com participação e representação de mais de cem grupos de carimbó vindos de dezenas de municípios de várias regiões do Estado. A renda da bilheteria do evento será destinada a custear as despesas de legalização da nova organização. Haverá ainda a venda de CDs e DVDs de carimbó e de instrumentos artesanais, entre outros produtos das comunidades.
Mestres e lideranças carimbozeiras reunidas no II Congresso Estadual do Carimbó, maio/2017
Foto por Pierre Azevedo
No palco do Apoena, a Geografia do Carimbó
O show “MESTRES E MESTRAS DO CARIMBÓ DO PARÁ” vai reunir mestres e mestras do Carimbó de diferentes municípios paraenses, do Marajó à Região do Salgado, do Tapajós à Região Bragantina, convidados pela Campanha do Carimbó para uma noite de celebração e festa em Belém, uma bela confraternização dos diversos sotaques peculiares de cada região do Pará, revelando a força e beleza desse bem cultural, cujo registro como Patrimônio Imaterial Brasileiro em setembro de 2014 revelou ao país a força da auto-organização e protagonismo do movimento carimbozeiro, empoderando seus detentores, grupos e comunidades.
O Coletivo de Mestres e Mestras convidados para esse show reúne representantes de várias comunidades e suas tradições específicas de Carimbó, trazendo para a mesma roda o Carimbó Praiano do nosso litoral atlântico, o Carimbó Rural das vilas agrícolas do nosso interior, o Carimbó Ribeirinho das nossas margens de rios e igarapés, o Carimbó de Santo dos devotos de São Benedito, o Carimbó Marajoara e Tapajoara, o Carimbó Urbano de Belém e região...São músicos, compositores, cantadores, poetas, dançarinos e construtores de instrumentos, vindos de todas essas localidades, revelando um pouco dessa geografia invisível, porém poderosa, que define as fronteiras dessa verdadeira nação cultural que vive, cria e resiste sob a bandeira do Carimbó.
Show do Coletivo de Mestres e Mestras do Carimbó no Apoena em 2016 (foto por Isaac Loureiro)
Transformado em território de encontro e festejo dessa diversidade carimbozeira, o Espaço Cultural Apoena vai receber essa linda comitiva de mestres e mestras que vão chegar de regiões tão diferentes como o Salgado, Bragantina, Marajó, Metropolitana, Capim e Oeste do Pará. Saiba agora quem vem para incendiar essa noite inesquecível:
·         Mestra Bigica, compositora e vocalista, e Claudete Barroso, ambas do grupo “Sereia do Mar”, da Vila Silva, região da Água Doce de Marapanim; Mestre Manoel, milherista e líder do grupo “Uirapurú”, da cidade de Marapanim;
·         Mestre Aroldo, compositor, cantador, construtor de curimbós, do grupo “Revelação do Zimba”, coordenador da ACCUPSAL , da Vila de Coremas, Salinópolis;
·         Mestre Elias, compositor, cantador e banjista do grupo “Raio de Luz”, Vila de Itajuba, Curuçá;
·         Mestre Moacir, compositor, vocalista e banjista do grupo “Filhos de Maiandeua”, da Vila de Fortalezinha, Ilha de Maiandeua, Maracanã;
·         Mestre Lico, líder e batedor de curimbó do grupo “Beija-Flor”, da cidade de Vigia;
·         Mestre Lavico, clarinetista e líder do grupo “Parazinho”, da Vila de Maracajó, Colares;
·         Mestre Come Barro, compositor, cantador e tocador do grupo “Raio de Sol” e da “Irmandade Maria Pretinha”, de Quatipurú;
·         Mestre Ribamar, líder e tocador do grupo “Carimbó do Nilo”, da cidade de Primavera;
·         Mestre Bené, compositor, banjista e vocalista do grupo “Os Brasileirinhos do Guamá”, de São Miguel do Guamá;
·         Mestre Eliezer, cantador e tocador de curimbó, e D. Amélia, mestra de danças marajoaras, ambos do grupo “Cruzeirinho”, da cidade de Soure, Ilha do Marajó;
·         Mestre Leopardo, tocador de curimbó e construtor de instrumentos do grupo “Cobra Grande”, da Vila de Alter do Chão, Santarém; Paulinho Barreto, compositor, banjista e vocalista do grupo “Tambor”, da cidade de Santarém.
·         Mestre Lucas Bragança, maraqueiro e construtor de curimbós, Jason Leão, vocalista, e Renan Martins, saxofonista e flautista, todos do grupo “Sancari”; Alan Chaves, banjista e vocalista dos grupos “Iaçá Luterana” e “Paidégua”, da cidade de Belém;
Vão nos trazer o sorriso e a alma de suas tradições, compartilhadas com a generosidade e alegria que é próprio dos verdadeiros mestres e mestras. Virão cada um e cada uma nos trazendo o coração de suas comunidades, que pulsa firme e intensamente a cada batida nos curimbós, girando na ancestral roda de dança anti-horária, marcando o tempo da vida, da natureza e da liberdade que ainda resiste em nós, e que se recusa a aceitar a marcha de morte dos cronômetros que encurtam nossa humanidade.
Vai ser um lindo (re)encontro. Venham celebrar a resistência da festa e a festa da resistência. Nosso mestres e mestras esperam por vocês.
A realização do show “MESTRES E MESTRAS DO CARIMBÓ DO PARÁ” é da Campanha do Carimbó e da ACEPA, com a parceria do Espaço Apoena.

SERVIÇO:
Show “MESTRES E MESTRAS DO CARIMBÓ DO PARÁ”
Onde: Espaço Cultural Apoena, Av. Duque de Caxias esquina com Tv. Antônio Baena (Altos), Bairro de Fátima
Quando: Dia 16 de junho de 2017 (sexta-feira)
Horários: a partir de 22 h
Ingresso: R$ 10,00
Informações:
(91) 98213-6071 / 98158-0829 (Apoena)
(91) 98191-6690 / 99969-3572 (Campanha do Carimbó)



 (* Isaac Loureiro é pesquisador e ativista das culturas populares e tradicionais, membro da Irmandade de Carimbó de São Benedito de Santarém Novo e coordenador da Campanha Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro)

quarta-feira, 24 de maio de 2017

II CONGRESSO ESTADUAL DO CARIMBÓ - Organizando e Avançando Para Garantir Direitos e Salvaguarda



Unidos pela ancestralidade e pela luta comum, o movimento carimbozeiro do Estado do Pará se mobiliza para realizar o II Congresso Estadual do Carimbó, seu fórum maior de decisão e articulação coletiva, que inicia hoje, dia 24 de maio, e segue até o dia 26 de maio de 2017, no Centro de Cultura e Formação Cristã / Seminário Pio X, na BR 316, Km 6, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém.

Sob o lema “Organizando e Avançando Para Garantir Direitos e Salvaguarda”, o evento é organizado pela Campanha Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro e pelo Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó, com o apoio do IPHAN-PA. A Campanha do Carimbó é o movimento cultural e social protagonizado por mestres, grupos e comunidades carimbozeiras do Pará desde 2005, responsável pela luta vitoriosa realizada junto ao IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – para registrar o Carimbó como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, objetivo conquistado e celebrado coletivamente no dia 11 de setembro de 2014. O Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó é uma instância da política de salvaguarda oficial criada junto ao IPHAN em 2015 para garantir a representação e participação social e comunitária na definição das ações a serem promovidas em prol desse bem cultural, sendo formado por representantes do Iphan e do movimento do carimbó de vários municípios paraenses. 

Após a conquista do registro como patrimônio nacional em 2014, o movimento da Campanha do Carimbó decidiu iniciar a mobilização junto aos grupos e comunidades carimbozeiras para a discussão da próxima etapa desse processo: a construção do Plano de Salvaguarda do Carimbó e o fortalecimento da auto-organização comunitária em âmbito estadual e nacional. Fruto dessa mobilização foi realizado I Congresso Estadual do Carimbó em junho de 2015, com a participação de dezenas de delegados e culminância de uma ampla escuta promovida junto a grupos e mestres de cerca de 25 municípios em várias regiões do Estado em um processo de participação inédito que resultou na aprovação das diretrizes gerais para a salvaguarda do Carimbó, definidas pelos próprios carimbozeiros, além da criação e instalação do Comitê Gestor da  Salvaguarda desse bem cultural, a garantia da realização da cerimônia de titulação, entre outros avanços.

Abertura do I Congresso do Carimbó em junho de 2015

O I Congresso consolidou o movimento da Campanha do Carimbó como uma das principais experiências de organização comunitária em torno do patrimônio cultural, tornando-a uma referência em âmbito regional e nacional.

Agora, a se completar 3 anos do registro, o movimento realizará o II Congresso Estadual do Carimbó como instância maior de organização e deliberação dos grupos e comunidades carimbozeiras, buscando fortalecer sua autonomia e protagonismo na luta pela garantia de direitos e salvaguarda, priorizando quem sempre manteve realmente o carimbó vivo, de geração em geração, sem nenhum tipo de apoio governamental, e que agora exige a contribuição do poder público nesse processo.

Os objetivos definidos para este II Congresso são os seguintes:

·         Realizar o ato de fundação da entidade coletiva e representativa do carimbó em âmbito estadual e nacional, bem como eleger e dar posse à sua primeira coordenação;
·         Discutir e qualificar as propostas de ações de salvaguarda elaboradas nos Pré-Congressos em cada pólo, visando a construção do Plano de Salvaguarda desse bem cultural;
·         Debater e aprovar o planejamento estratégico do movimento carimbozeiro para o biênio 2017-2018;
·         Debater e deliberar sobre questões relacionadas ao carimbó, sua salvaguarda e sobre políticas públicas de cultura, educação, turismo, saúde, entre outras, que sejam do interesse dos grupos e comunidades carimbozeiras paraenses;
·         Promover e fortalecer o diálogo, a interação, a vivência e a confraternização entre grupos, lideranças e mestres/mestras do carimbó de 30 municípios paraenses, valorizando a beleza e a diversidade do Carimbó do Pará;

O evento reunirá delegados e delegadas representantes dos diversos grupos e entidades de carimbó de cada município, seus mestres e mestras, músicos, compositores, dançarinos, artesãos e produtores. Esses representantes foram escolhidos nos Pré-Congressos do Carimbó realizados nos pólos e municípios onde atua o movimento carimbozeiro, em várias regiões do Estado. Estão confirmados cerca de 150 participantes vindos de 30 municípios das regiões do Salgado, Bragantina, Marajó, Tapajós, Carajás e Metropolitana. Portanto, o evento terá uma representatividade política territorial até então inédita na história do carimbó.

Pré-Congresso do Carimbó na Vila de Coremas, Salinas, em junho de 2016

Outra situação inédita neste II Congresso é o apoio financeiro do IPHAN para sua realização, garantido no orçamento de 2016 após ampla articulação do Movimento e da Superintendência do IPHAN no Pará. Esse recurso virá do primeiro Edital de Salvaguarda do Carimbó, promovido através de chamamento público e que selecionou a Associação do Carimbó e Cultura Popular de Salinópolis (ACCUPSAL) como a entidade civil que irá receber repasse financeiro para executar as ações de salvaguarda definidas pelo I Congresso e pelo Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó.

A Campanha considera que esta iniciativa é um desdobramento e uma continuidade do processo de registro do carimbó como patrimônio cultural nacional, bandeira levantada e sustentada por grupos e mestres tradicionais de carimbó desde 2005, quando se iniciaram as primeiras discussões com o IPHAN e o Ministério da Cultura na cidade de Santarém Novo, região litorânea do Pará.

É uma etapa crucial da longa luta dos nossos mestres, grupos e comunidades em prol da valorização e reconhecimento efetivos de nossa cultura popular tradicional, dessa manifestação que é uma das principais matrizes culturais do povo paraense e amazônida. É também uma valiosa oportunidade para afirmar a importância e a riqueza de nossa diversidade cultural, nutrida por nossas raízes ancestrais, definidora de nossa multifacetada identidade nacional.

Coordenação da Campanha do Carimbó em uma de suas reuniões no Iphan-Belém em 2016

Sendo uma instância organizativa interna do movimento da Campanha do Carimbó, o Congresso não será aberto ao público em geral. No entanto, a coordenação do evento disponibilizará vagas limitadas para observadores e convidados, que devem enviar sua solicitação de participação para o email carimbopatrimonioculturalbr@gmail.com , informando seus dados pessoais e o objetivo de sua participação.


SERVIÇO:
II CONGRESSO ESTADUAL DO CARIMBÓ
Data: 24, 25 e 26 de maio/2017
Local: Centro de Cultura e Formação Cristã / Seminário Pio X, na BR 316, Km 6, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém.

Contatos da Coordenação:
(91) 98191-6690 / 99969-3572
(91) 99607-3710
(91) 98988-2598




quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Verequete: o Carimbó nunca morre!



Hoje, aqui no Pará, é o Dia Estadual do Carimbó. No dia 3 de novembro de 2009 Mestre Verequete partiu para sua jornada no infinito, deixando para todos nós saudades e uma generosa obra musical. Deixou também, a nos inspirar, seu exemplo de coerência e resistência como mestre de uma tradição cultural que se mostra cada vez mais forte e vigorosa, mostrando que é possível manter vivas suas raízes e sua ancestralidade mesmo em situações adversas.
O mestre que viveu sua vida toda na batalha diária por dignidade e valorização, encerrou sua vida terrena sem ter alcançado o devido reconhecimento e respeito por tudo o que havia feito como artista e como mestre de carimbó. Apesar de seu nome ser conhecido aqui e no mundo afora como o ícone maior do carimbó de verdade, nunca usufruiu plenamente dos benefícios de seu trabalho. A dívida com Mestre Verequete e com nossos demais mestres e mestras da cultura popular permanece imensa, injusta e esquecida.
Uma comprovação disso são essas mesmas datas oficiais que celebram o aniversário e a morte de Verequete. Instituídas pelo poder público municipal e estadual, respectivamente, o 26 de agosto e o 3 de novembro tem passado em completo esquecimento e ignorância por parte dessas ditas autoridades. Nenhuma atividade sequer, nenhuma homenagem oficial, nenhum evento cultural, nenhuma nota nos jornais. Nada. É isso que significa essas datas para aqueles que ocupam os gabinetes dos palácios de governo em Belém e no Estado. Para eles, Mestre Verequete e o Carimbó nem existem, apesar de gostarem de usar nossos nomes nos discursos que costumam fazer em época de eleição.
Mas nós existimos e resistimos! Como afirma o lema da Campanha do Carimbó: somos patrimônio, somos resistência! E em nossas rodas e festividades, em nossos batuques e cantorias, em nossas comunidades e em nossa luta cotidiana, VEREQUETE VIVE!
E vive com redobrada paixão e energia, crescendo na auto-organização e na construção de caminhos novos que garantam a real e efetiva valorização e salvaguarda do nosso Carimbó e de seus verdadeiros protagonistas e guardiões: o povo pobre, mestiço, negro, índio, excluído, marginalizado das periferias urbanas e das pequenas comunidades do interior deste Pará. Nós, os cabôcos, os selvagens, os que não se rendem. Sim, nós, os que povoam os romances de Dalcídio e os poemas de Bruno, os que não tem nome de rua mas sabem ocupá-las com vida e alegria, os que só aparecem nos documentos amarelados da repressão policial, nós, os que incomodam o sossego da elite que acha que as cidades são só suas, nós que não temos lugar certo para tocar nosso tambor por isso estamos em todos os cantos, nós que festejamos para resistir e resistimos para que nossa alma permaneça livre e plena de alegria insolente...
Nós, que um dia fomos Cabanagem e hoje somos Carimbó, Brega, Marujada, Çairé, Boi Bumbá, Banguê, Curral do Pinça, Pássaro!..E continuamos cabanos em nossa alegria e rebeldia...
Nós, que hoje somos patrimônio cultural brasileiro, nós te saudamos, Mestre Verequete. Tomamos a tua benção como as crianças das comunidades que são educadas a terem respeito e carinho com os mais velhos, pois eles são nossa raiz profunda, forte, generosa. É isso que és para todos nós. Sempre serás.
Enquanto as datas oficiais te ignoram e desprezam, nós seguimos em frente com a luta que deixastes pra nós de herança, junto com tuas canções e teu nome de deus guerreiro. O Carimbó nunca morre, já o dissestes bem. E agora ecoa cada vez mais forte e mais longe.
Gratidão eterna , Mestre. Esteja sempre com nosso povo.
Belém, 03 de novembro de 2016. Ano II do registro do Carimbó como patrimônio cultural imaterial do povo brasileiro.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

PRÉ-CONGRESSO METROPOLITANO DÁ INÍCIO À MOBILIZAÇÃO E DEBATES PARA O II CONGRESSO ESTADUAL DO CARIMBÓ



PRÉ-CONGRESSO METROPOLITANO DO CARIMBÓ | BELÉM DO PARÁ
“Organizando e Avançando Para Garantir Direitos e Salvaguarda”
Neste sábado, 22 de outubro de 2016, estaremos realizando o Pré-Congresso Metroplitano do Carimbó, a ocorrer no horário entre 08 e 17 h, na salão da Paróquia de Confissão Luterana de Belém, situada na Av. Visconde de Inhaúma, nº 1557, próximo à Tv. Lomas Valentina, Bairro da Pedreira, Belém/PA.
O evento é etapa preparatória à realização do nosso II Congresso Estadual do Carimbó que acontecerá no final de novembro deste ano, um passo importante na caminhada de auto-organização coletiva e de construção das ações de salvaguarda para nosso patrimônio.
Cada Pré-Congresso reunirá os diversos grupos e entidades de Carimbó de cada pólo e município, seus mestres e mestras, músicos, compositores, dançarinos, artesãos e produtores, garantindo a todos direito a voz e voto, de acordo com o Regimento Interno do II Congresso Estadual do Carimbó.
O Pré-Congreso Metroplitano do Carimbó terá a participação dos grupos de carimbó dos municípios de Belém, Ananindeua, Marituba e Santa Bárbara do Pará, tendo os seguintes objetivos:
• Esclarecer as comunidades sobre a etapa atual da salvaguarda do carimbó como patrimônio cultural imaterial brasileiro;
• Discutir a proposta de estatuto da Entidade Representativa do Carimbó em âmbito estadual e nacional, visando sua fundação no II Congresso Estadual do Carimbó;
• Realizar a discussão comunitária sobre as propostas de ações de salvaguarda elaboradas pelo Comitê Gestor da Salvaguarda do Carimbó, visando a construção do Plano de Salvaguarda do Carimbó junto ao IPHAN;
• Debater e deliberar sobre questões relacionadas ao carimbó, sua salvaguarda e sobre políticas públicas de cultura, educação, turismo, saúde, entre outras, que sejam do interesse dos grupos e comunidades carimbozeiras de cada pólo ou município;
• Debater e aprovar proposta de planejamento estratégico do movimento da Campanha do Carimbó em nível local e estadual;
• Escolher os delegados de cada grupo/entidade/comunidade carimbozeira para o II Congresso Estadual do Carimbó, previsto para acontecer no mês de novembro/2016 em Belém;

A realização deste Pré-Congresso é da Campanha do Carimbó, através da Comissão Metropolitana. O evento tem o apoio do Iphan-PA e de vários outros parceiros.
Mais informações, entre em contato com nossa coordenação:
Isaac Loureiro - (91) 99993-2613 (Oi) / 98191-6690 (Tim e zap) 
Lucas Bragança - (91) 99607-3710 (Oi) / 98303-7950 (Tim e zap) / 98410-3833 (Claro)
Nivaldo Coelho - (91) 98054-2246 (Tim e zap) / 99283-6999 (Vivo)

carimbopatrimonioculturalbr@gmail.com